10 novembro 2013

10 novembro 2013

O portão

Foto por http://www.flickr.com/photos/ashleygoldsbrough/
Acham que sou louca por querer mudança, mas não querer mudar. Acho que sou sã. Não consigo, nem posso, deixar toda uma vida para trás por querer novas aventuras. Que talvez nem passem de desejos momentâneos. Por mim, tomaria um ônibus até a rodoviária e em seis horas estaria na minha nova cidade favorita, São José do Rio Preto. Aliás, sei também que logo encontro outro lugar para ocupar o posto de predileto. Ainda há tanto para ver. Acho que é a causa desse desespero por novos ares.

Sempre digo que tenho medo e sempre sinto que me falta tempo. Essas duas coisas combinadas são fatais. Vou ter sempre medo de tentar o novo e sentir que o tempo é escasso para tantas coisas que podem vir a seguir. Acabo ficando no mesmo lugar. Às vezes, algo em mim diz que é aqui que vou ficar. Não é bom. Não é uma certeza do tipo "aqui é o meu lugar". É só uma confirmação de que alguns nasceram para uma vida maior e eu simplesmente não. É um pouco triste, admito.

Ando sonhando com pessoas novas, também. Já que não consigo ir, que venham novos amigos ao meu encontro. Que tragam novos amores. Aqui é muito solitário e pode ser que seja o motivo de eu querer fugir. Quem sabe novas pessoas não tragam bons ventos? Mas, eu não sei, é sempre tão escuro e frio. Me pergunto quem gostaria de ficar num lugar como este. Até entendo porque todos, até hoje, só vieram de passagem e seguiram viagem para onde as nuvens clareavam. Insisti tanto para que ficassem, que pensaram que eu gostasse daqui e nem cogitaram a ideia de me chamarem para acompanhar. É uma boa explicação.

Não quero que me expliquem muito, para falar a verdade. Lá vem o medo de novo. As coisas nem sempre são o que parecem e a ideia de estar errada sobre tudo e todos me deixa aflita. Pode ser que não tenham me chamado porque eu não era boa companhia. Que me falte tempo porque a cada ano o mundo gira mais depressa. Que aqui seja meu lugar porque não nasci para ver outros.

Pode ser que aqui não seja porque eu simplesmente não quero. E, também, que eu tenha a escolha de ir e tenha ficado esse tempo todo por medo de simplesmente não tê-la.

Pode ser que eu precise fazer meu próprio destino.



4 comentários:

Alexia Cavalcante em 10/11/13 disse...

O que falar dos seus textos? Amo, sem mais.

http://papodemeninasaer.blogspot.com.br/

Daniela Pereira em 10/11/13 disse...

Seus textos May, são os melhores <3
http://daniperere.blogspot.com.br/

TANNY KÉSSIA em 10/11/13 disse...

muito eu esse seu texto *-*

www.eaimenina.com

Fil Rosa em 10/11/13 disse...

Amei o texto. Amei demais rsrs.

http://filrosa.blogspot.com.br/

Postar um comentário

 

Design e programação por Mayara Sousa.