09 janeiro 2014

09 janeiro 2014

Meu primeiro estágio

Foto por http://www.flickr.com/photos/ericconca/
Todo dia alguém me pergunta: "com o que você trabalha?" e quase sempre ouço um "que inveja!" quando falo que trabalho com blogs, ainda mais quando digo que trabalho em casa. E todas as vezes dou uma risada alta e nunca sei se é porque eu realmente acho graça ou se fico nervosa a ponto de não saber lidar com a situação. Nunca trabalhei tanto quanto tenho trabalhado, principalmente nos últimos 2 meses. Bate uma mega saudade do meu primeiro estágio, preciso admitir. Fiquei relembrando tantos momentos bons, que decidi fazer um post. As meninas dos grupos do Facebook que eu participo super apoiaram a ideia, então resolvi contar um pouco sobre a época em que estagiei em órgão público.

Primeiramente, eu vivo esquecendo que sou muito sortuda e essas retrospectivas servem pra eu lembrar que a vida me dá muita coisa na mão. Eu tinha quase dezessete anos e estava no último ano do ensino médio quando comecei a trabalhar. Pertinho da minha escola, tinha uma agência da Previdência Social e sempre que eles precisavam de estagiários, chamavam alguns alunos de lá pra provas ou entrevistas. Eu não precisei fazer nadinha disso: a diretora na hora me indicou pra chefe de lá (e, sim, isso é legal, porque a agência pode optar por simplesmente não dar prova). Eu era CDF na escola, sabe? Meus melhores amigos eram meus professores, hehe. Todas as tardes durante o segundo ano do médio, eu passei ajudando na escola, na secretaria etc, então eles me conheciam bem e confiavam em mim.

Foi meio assim: cheguei em casa da escola num belo dia de fevereiro, 2 horas depois a diretora da escola ligou perguntando se eu queria o estágio, mais 2 horas depois a chefe da agência me ligou pedindo pra eu levar meus documentos no dia seguinte (cpf, rg e comprovante de residência, o básico) e menos de uma semana depois eu tava no RH da Previdência pegando os documentos pra abrir conta no banco (mesmo sendo menor de idade, abri conta no Bradesco - sem a opção de cartão de crédito - e uso a mesma até hoje) e me pediram pra fazer cadastro no CIEE e aguardar a ligação deles pra dar continuidade.

Sempre que alguém me pergunta sobre estágio, eu indico o CIEE. Lá sempre tem alguma vaguinha pra ensino médio ou superior, e eles sempre fazem eventos e palestras muito legais. É um centro de estágio e são eles que elaboram provas, encaminham pra entrevistas, enviam o contrato pro RH de onde você vai estagiar etc.

Toda essa papelada levou uns 20 dias. Comecei a estagiar no comecinho de março de 2011. Além de mim, eles tinham mais um estagiário, mais novo que eu (eles contratam a partir de 16 anos). Nós ficávamos na sala de arquivo e xérox e era o que fazíamos: arquivar e xerocar. Estagiário não pode atender público, pelo menos era o que estava escrito no meu contrato na época, então não tínhamos muito serviço. O mais pesado ficava para o pessoal concursado, o que é engraçado, porque sempre me disseram que estagiário fica com o trabalho pesado. Lá, eles eram super flexíveis, e quando eu precisava estudar pra prova, podia levar os livros pra lá ou até mesmo faltar e compensar as horas aos pouquinhos no decorrer do mês seguinte à falta.

Nos primeiros meses, trabalhei das 14h às 18h, de segunda à sexta. Depois de 4 ou 5 meses, passei a fazer 6 horas diárias (13h às 19h), ganhando uma diferença de 80 reais na bolsa auxílio. Aliás, tá na hora de aumentar essa bolsa auxílio, gente! Meu estágio valeu muito pela experiência e amigos que fiz, mas ganhava menos de 500 reais por mês, já com o vale transporte, viu?

Durante todo esse tempo de escola + estágio, minha rotina era: acordar às 6h, ir pra escola, sair 12h20, correr em casa (5 minutos a pé), almoçar, me trocar, lavar o rosto, escovar os dentes e ir para o serviço. Trabalhos, lições, livros, ficavam todos pra depois das 19h ou fins de semana e feriados. Quando tinha muita coisa, faltava na Previdência, mas acho que durante todo o tempo que fiquei lá, só faltei umas 3 vezes.

Quando saí do ensino médio, meu contrato consequentemente acabou. Chorei até não poder mais, até que abriram uma vaga na mesma agência pra estudantes de Administração. Eu amava tanto aquele estágio (meus melhores amigos hoje eu conheci lá) que troquei o curso de Jornalismo com o qual eu tinha sonhado por um bom tempo por Administração só pra continuar mais uns meses lá. Tinha uma diferença no salário, mas mesmo assim não chegava a 700 reais (com vale transporte). Acabei ficando só 5 meses depois que voltei, por mil e um motivos: pra me contratarem lá, só prestando concurso (o contrato total só pode durar 2 anos), mesmo sendo estagiária superior, continuava fazendo as mesmas coisas de antes (e não estava mais adquirindo experiência profissional), me dedicava muito, a ponto de passar 8 ou 9 horas lá (isso é culpa minha mesmo) e chegava em casa exausta, chorando. Enfim, já não me identificava mais com o que estava fazendo e ainda por cima estava numa faculdade que nunca foi o que sonhei pra mim. Percebi que não valia a pena todo o esforço por um estágio que não viraria emprego.

De qualquer forma, foi uma experiência que valeu muito a pena. Meu primeiro ano lá foi o ano mais legal da minha vidinha e eu amadureci muito. Aprendi a me organizar também, me prometia que tinha que dar conta dos trabalhos e lições sem precisar faltar, o que fez com que eu focasse ainda mais nos estudos, ao contrário do que muita gente pode pensar. Muitas vezes, antes de começar a trabalhar, eu começava uma lição, parava um pouquinho, ia ver tv, depois continuava. Com o estágio, eu começava uma coisa da escola e só parava quando terminava, pra já eliminar uma coisa da minha listinha de tarefas.

Uma coisa que quem vai fazer estágio precisa ter em mente: a prioridade é o estudo. Quem contrata sabe disso e no contrato há uma cláusula que diz que você tem o direito de faltar ou diminuir a jornada de trabalho em época de provas. Mas não tratem o estágio como qualquer coisa só porque paga pouco ou não te valorizam lá dentro; na maior parte do tempo, estão sim observando se você faz um bom serviço e a experiência profissional que adquirimos dentro de uma empresa é algo pra levar pra vida. Sem contar que você aprende a lidar com pessoas de todos os tipos. E às vezes dá uma sorte como eu, que acabei fazendo muitos amigos e fico feliz quando olho pra trás e penso que, apesar de tudo, da cabeça que eu tinha na época, das coisas que falavam, do dinheiro que não guardei (RISOS), dei muito valor e aproveitei até o último minuto.

Links legais pra quem quer estagiar:




5 comentários:

Mirele Soares em 9/1/14 disse...

Não vejo a hora de conseguir meu primeiro estágio.
Como estudo no if, faço o curso técnico em estradas, queria conseguir algo relacionado com a área na qual estudo!
Obrigada por compartilhar a sua experiência ♥
Beijos


featglam.blogspot.com

L. em 9/1/14 disse...

Já passei por isso, rs. Fazia faculdade de biomedicina, fui fazer estágio na Fiocruz e ganhava nada mais nada menos que 496, por mês isso com a passagem, sendo que para completar a passagem nunca dava. Rs Vida de estagiário é pra quem está disposto, rs
bjs

http://www.1forall.com.br
http://www.facebook.com/one1forall

Alexia Cavalcante em 9/1/14 disse...

Ainda não fiz nenhum estágio, até porque nunca fiz nenhum curso, e nem tenho idade pra faculdade, pretendo fazer um curso em breve!

http://www.papodemeninasaer.com/

Mayara em 9/1/14 disse...

@Alexia Cavalcante Não é preciso fazer curso ou faculdade, durante o ensino médio também é possível estagiar :D

Brendha Cardoso em 12/1/14 disse...

Muito bacana ler sobre sua experiência, mesmo. Também acredito que estágios são ótimos, principalmente pra aprendermos a ter mais responsabilidade e organização. Quando eu estava na 2ª série do EM eu comecei um estágio numa Contabilidade (nada a ver com o que eu gostava, mas... eu precisava fazer alguma coisa além de estudar)... Eu não tinha um contrato nem nada, trabalhava meio período e ganhaava R$ 100,00. Aprendi algumas coisas, sim, mas o que eu mais fazia era procurar documentos em caixas e sair pra comprar o lanche do pessoal. No fim, achei que não valia mais a pena e saí. Foram bons momentos, é claro, mas acredito que não daria conta disso + o terceirão e preparação para o vestibular.

Adorei o seu blog:D

http://www.onlyb13.blogspot.com

Postar um comentário

 

Design e programação por Mayara Sousa.