08 março 2014

08 março 2014

Coração de vidro

Foto por http://www.flickr.com/photos/rohithrao/
Eu não menti. Estou com medo de não aguentar até o ano acabar. Eu posso acabar com tudo muito antes. Mas momentos assim, como os que vivi hoje, me fazem querer insistir. Eu sou completamente submissa a você. De uma forma nada saudável, mas eu não me importo. Eu estou disposta a esperar até que você perceba que ainda dá tempo de mudar e resolva voltar. Eu quero você, mas canse das suas noites vazias no centro da cidade primeiro. Desista das bebedeiras fora de hora que te levam a lugares que me fazem passar mal cada vez que passo em frente. Enquanto sua crise não passa, eu continuo aqui. Aceto o que você pode dar e rezo pelo dia em que você vai perceber que só reclama tanto da vida porque suas escolhas são erradas.

Eu não vou durar muito tempo, você sabe. Eu não vou ser uma dessas pessoas que envelhecem e ainda dão um jeito de aproveitar a vida. Eu provavelmente vou morrer antes dos 40. Eu mesma farei isso. Mas até lá, quero que saiba que vou tentar cuidar de você. Você sabe que me salvou e eu não quero que pense que não merece o mesmo que fez por mim. Na verdade, você merece muito. Sou supersticiosa e tenho mania de fazer pedidos à estrelas quando estou caminhando no começo da noite. Na maior parte das vezes, você está junto. Mas mesmo quando não está, seu nome é a primeira coisa que me vem à cabeça. Eu só mentalizo seu nome. Não sei se é pra ter você por perto ou pra que fique bem, onde quer que esteja. Talvez os dois. Eu sempre vou querer que seja feliz acima de tudo, mas é claro que dói a ideia de não poder te proporcionar a felicidade que você almeja.

Sabe que às vezes estou andando na rua e seu perfume me encontra? Nunca é você, mas eu sempre diminuo o a velocidade do passo e seguro a respiração pra sensação de conforto que sua lembrança me traz durar mais um pouquinho. É estranho como eu só consigo descansar a mente quando estou com você, porque eu nunca acreditei que pudéssemos ter um lar nos braços de outra pessoa. Na verdade, eu nunca acreditei em amor. Pessoas vêm e vão e nenhuma delas me fez sentir como se eu pudesse conquistar qualquer coisa no mundo e ainda assim querer ficar aqui, porque é aqui que elas estão. Você me faz sentir dessa forma desde o dia em que te conheci. Eu tinha uma necessidade maluca de mudar minha vida e então te vi e soube que ela era boa daquele exato jeito.

Duvido que se sinta assim, até porque eu sou muito intensa desde que me conheço e posso exagerar nos sentimentos vez ou outra, mas eu acho que tudo o que você me deu já me impede de sentir qualquer outra coisa por você. Há momentos em que eu quero te odiar e esquecer que já te conheci, mas eu sempre volto ao estado de graça em que estou hoje. Grata por tudo o que já passei ao seu lado e esperançosa por tudo que ainda posso passar. Sei que você me acha piegas e vai odiar tudo o que falei até agora, mas aquele seu sorrisinho de lado quando está me observando - que você acha que eu nunca percebi - é muito mais clichê que tudo isso. É cena de filme e, amor, uma história de cinema foi tudo que eu sempre quis.



2 comentários:

Elisa Alecrin em 8/3/14 disse...

Me sinto levemente atraída por essa melancolia literária. Gostei muito!

Lilás & Sol

Ray Neon em 8/3/14 disse...

Adorei o texto e assumo que estou chorando igual a uma idiota. Porque a tristeza tem que ser tão bela?
http://www.rayneon.com.br/

Postar um comentário

 

Design e programação por Mayara Sousa.